domingo, 5 de janeiro de 2014

RUA DA SAÚDE, N.º 293 - O VASCO NASCEU PARA O MAR

Neste prédio os fundadores promoveram o nascimento do Gigante!

 

Em primeiro plano o Cais do Valonguinho. Em segundo plano, ao centro, o sobrado da Rua da Saúde, n.º 293

   Há algum tempo a NetVasco teve oportunidade de corrigir uma informação equivocada fornecida por um colunista social, acerca do local de fundação do Vasco.

  Naquela curta observação, a NetVasco atentou para o fato verdadeiro descrito na Ata da Assembleia de Instalação do Vasco (seu "registro de nascimento"), onde consta que os consócios fundadores, reunidos das 14:00h às 15:45h do dia 21 de agosto de 1898, fundaram o club no salão do prédio da Rua da Saúde, n.º 293.

   Indo mais além, afirmou também que aquele local não era a sede da Sociedade Dramática Particular Filhos de Talma, contrariando aquilo que é pregado pela tradição vascaína.

   De fato, há várias indagações e dúvidas a respeito do tema, transcendendo inclusive o que é historicamente propalado oficialmente tanto pelo club, como pela própria imprensa, esta muitas vezes de forma distorcida e equivocada.

   Já não é de hoje esse debate entre os vascaínos conhecedores da história do clube, cuja dúvida é alimentada pelo passar do tempo, elemento corrosivo da tradição oral, que favorece o dito pelo não dito, por vezes até com razão. Mas ainda assim permanece a pergunta:

Afinal de contas, naquele tempo o prédio da rua da Saúde, n.º 293 era ou não era sede dos Filhos de Talma?

   A dinâmica histórica do fato em si tem um conteúdo movediço, onde os elementos objetivo e subjetivo permeiam a interpretação valorativa. Vamos procurar responder de forma honesta a esta questão, além de outra não menos importante, cuja memória também se perdeu no tempo: "Onde era situado o prédio da rua da Saúde, n.º 293"?



As reuniões preliminares para fundação do Vasco

   Por iniciativa dos jovens comerciários, pioneiros entusiastas do rower, Henrique Ferreira Monteiro, Luiz Antonio Rodrigues, José Alexandre d'Avellar Rodrigues, Manoel Teixeira de Sousa Junior e posteriormente de José Lopes de Freitas (cognominado Zé da Praia), foram realizadas reuniões para a fundação de um clube de regatas, esporte que em fins do século XIX já despertava a paixão do público carioca nas lides realizadas na enseada de Botafogo.

   Tais reuniões, realizadas a partir de janeiro do ano da fundação, ocorreram primeiramente no sobrado que servia de moradia a Henrique Ferreira Monteiro, na rua Theóphilo Ottoni*, n.º 80 (ao lado esquerdo do atual n.º 90), aglutinado que era ao de n.º 78, onde era empregado da firma Agostinho Lisboa & Cia. Em seguida, para melhor acomodação, foram os jovens pioneiros acolhidos no salão da própria Sociedade Dramática Particular Filhos de Thalma.*

   Com a crescente e entusiástica adesão, ficou decidido que a fundação, instalação, eleição dos representantes e da 1.ª diretoria do club ocorreriam domingo, dia 21 de agosto de 1898, no salão dos Filhos de Talma; e a solenidade de posse da 1.ª diretoria eleita se daria na semana seguinte, nos salões da Estudantina Arcas.

   A Sociedade Dramática Particular Filhos de Talma sempre esteve, desde sua fundação em 1879, sediada na rua do Propósito, no bairro da Saúde.  Primeiramente no prédio de n.º 30, e a partir do último decênio do séc. XIX, no sobrado de n.º 12 (atual n.º 20 - cf. revisão de numeração realizada pela Prefeitura do Distrito Federal em 1908).

 Sede da S.D.P. Filhos de Talma na rua do Propósito, n.º 20 (agosto de 2011)

   Já com relação ao local da posse, inexistem dúvidas. Realizou-se na Sociedade Dançante Estudantina Arcas, no seu salão à Rua São Pedro, n.º 152 - defronte à então Praça General Osório (antigo Largo do Capim), correspondente hoje à calçada do quarteirão da Av. Presidente Vargas, n.º 642 - entre as ruas Uruguaiana e dos Andradas - a cuja assembléia compareceram cerca de 100 novos vascaínos. Designada para o meio dia do 28 de agosto de 1898, tomava posse a 1.ª diretoria eleita do Vasco, conforme edital de convocação mandado publicar no sábado - dia 27, bem como no próprio domingo, 28 - dia da posse, no jornal Gazeta de Notícias.


   O fundador José Lopes de Freitas (José da Praia) cita a existência de um outro local para a posse da 1.ª diretoria, a Sociedade Arcádia Dramática Esther de Carvalho, cujo nome foi emprestado de uma importante atriz lírica da época. No entanto o endereço desta sociedade nada mais é que o da própria Estudantina Arcas, como pudemos constatar do cruzamento dos anúncios publicados no jornal Gazeta de Notícias (p. 2 - 30/06/1897) e no catálogo Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial do Rio de Janeiro (p. 1397 - Ano 1895).


O Vasco foi ou não fundado no salão dos Filhos de Talma?

   Tal fato foi motivo de nossa indagação quando tivemos oportunidade de visitar os amigos daquela agremiação em agosto de 2011. E a resposta dos integrantes daquela sociedade progenitora foi: a S.D.P. Filhos de Talma nunca teve sede ou mesmo utilizou naquele tempo o prédio da Rua da Saúde, n.º 293.  Da mesma forma, não tinham ideia do porque a assembleia de instalação do Vasco não se deu em seu salão naquela tarde de domingo, permanecendo assim o mistério.

   Prevalece no entanto a versão oficial divulgada pelos fundadores desde a fundação: de que o Vasco foi sim fundado nos salões dos Filhos de Talma, em que pese a ata de instalação ser absolutamente contudente ao registrar endereço diverso daquele da sociedade dramática, cuja sede acolheu os fundadores nas reuniões preliminares quando o sobrado da rua Teophilo Otoni já não suportava mais a grande frequência.

   Sobre o assunto, o grande historiador vascaíno e ex-presidente José da Silva Rocha, sabedor da querela, deixou implicitamente ao sabor do leitor de sua indispensável obra, a interpretação subjetiva do fato (Club de Regatas Vasco da Gama - Histórico: 1898 - 1923, Gráfica Olímpica Editora-Rio - 1975 - p. 14).

   A questão portanto é contraditória, uma vez que a S.D.P. Filhos de Talma, desde quando ali se instalou na rua do Propósito, n.º 20 (antigo n.º 12), nunca ocupou qualquer outro imóvel. Ainda assim os vascaínos históricos veneravam a ligação com aquela sociedade, a ponto de realizarem celebrações conjuntas.

   Interessante observar que naquele tempo a S.D.P. Filhos de Talma era uma importante e afamada sociedade formadora de artistas amadores.  Celebrar qualquer evento de caráter associativo em seus salões, trazia maior dignidade. Para corroborar, a Gazeta de Notícias noticiava em 16 de setembro de 1900 que outro clube de regatas foi efetivamente fundado ali no salão daquela sociedade dramática: o Internacional de Regatas, cuja sede social foi arrematada em uma execução trabalhista há pouco mais de 1 ano, inviabilizando-lhe o funcionamento. Curiosamente foi para este clube que os sócios retirantes da cisão de 1901 se associaram.

 Praça da Harmonia por volta de 1905, em destaque o sobrado da rua da Saúde, n.º 293 (o primeiro à direita da foto)

   Uma outra fonte apócrifa chega a afirmar, sem qualquer comprovação, que a primeira intenção dos pioneiros para o local de fundação do Vasco era inversa, ou seja, que a instalação teria sido programada para o salão da Estudantina Arcas. Porém, para surpresa de todos, o clube dançante encontrava-se fechado naquele domingo. Na esperança de uma solução imediata, teriam os fundadores se encaminhado até os Filhos de Talma, uma vez que já haviam realizado as primeiras reuniões naquele local, mas também o seu salão não estava disponível. Possivelmente tal impedimento se deu por conta do tardar da hora, uma vez que as apresentações artísticas sempre eram designadas para os sábados e domingos, por volta das 15:30h. Não se sabe ao certo.

   Por fim, sabemos que no salão dos Filhos de Talma não se realizou efetivamente a assembleia de fundação do Vasco. Os incansáveis fundadores dobraram a esquina da rua do Propósito e celebraram a assembleia ali bem perto, na Rua da Saúde n.º 293. O que importava para a alma dos antigos vascaínos era a intenção, a homenagem, a pompa e a circunstância requerida. Tudo em prol da elevação do ser criado e mitificado! O glorioso Club de Regatas Vasco da Gama fundado nos Filhos de Talma!

   Foi a partir desse culto que o Conselho Deliberativo do Club de Regatas Vasco da Gama reuniu-se no dia 21 de agosto de 1958, em sessão solene realizada no salão da S.D.P. Filhos de Talma, para comemorar o seu 60.º aniversário, registrando definitivamente na memória vascaína o ato de sua fundação perante a digna e honrada sociedade dramática, através da famosa placa de bronze ofertada pelo Vasco e que estampa até hoje as paredes de sua sede, "relembrando" assim a umbilical ligação havida entre vascaínos e talmasinos.



O Prédio da Rua da Saúde, n.º 293, atual Rua Sacadura Cabral, n.º 345

   Anteriormente, tivemos oportunidade de afirmar que o Vasco havia nascido para o mar, e de fato, naquele momento de nossas buscas e pesquisas, não nos era possível precisar o exato ponto, defronte à tradicional Praça da Harmonia, em que teria ocorrido a fundação do club.

   O referido endereço havia se perdido na memória dos vascaínos. O único documento oficial que o Vasco possui acerca do local é a própria Ata de Instalação do Club. O decorrer do tempo, a perda da tradição oral, e a repetição do fato pela imprensa sem a devida revisão, fizeram com que o esquecimento tornasse duvidosa a devida localização por si só.

   Como a lembrança não sobreviveu, pudemos identificar em nossas buscas nos diversos registros histórios disponíveis, o negócio que se operava no local 1 (um) ano antes do nascimento do Vasco.  Ali estavam instalados os sócios "Manoel Pires Coelho e Antonio Martins Pinheiro, para o commercio de café moido, nesta praça, á rua da Saude n. 293, com o capital de 8:000$, sob a firma de Pires & Pinheiro"*, conforme registro dos arquivamentos realizados entre 22 de março a 1.º de abril na Junta Comercial (Diário Oficial, 11/08/1897, p.1680).  Nenhum deles, ao que se saiba, tiveram qualquer participação na histórica fundação do clube; assim como o então proprietário do imóvel: Manoel Ernestino da Costa, exceto, talvez, pelo curto empréstimo do salão térreo onde transcorreu a instalação do C. R. Vasco da Gama.

   Em 1907 a Prefeitura do Distrito Federal baixou o Decreto n.º 664, determinando a revisão da numeração das ruas do centro da cidade.  Foi o período do "Bota Abaixo"; da inauguração da Avenida Central; da Revolta da Vacina, cujo lider foi Prata Preta; e do início da construção do Cais do Porto a partir de 1906.  A numeração de todo casario do centro da cidade foi alterada.  Ao se pagar o imposto predial, pagava-se também pela nova placa. Em 1909 o prédio já ostentava a sua numeração atual de n.º 345.

   Finalmente, a 24 de junho de 1922, a Prefeitura do Distrito Federal alterou por decreto o nome da Rua da Saúde para Rua Sacadura Cabral.

1) O sobrado da Rua da Saude, n.º 293 em 1908, visto da Praça da Harmonia.
2) O mesmo sobrado em 1905, visto do mar, próximo ao Cais do Valonguinho.
3) Hoje,  na cor amarela, o mesmo sobrado da Rua Sacadura Cabral, n.º 345.

*texto com a grafia da época.
-----
Agradecimentos:

José Luiz Mano, Grande-Benemérito do C.R. Vasco da Gama, que propiciou nosso encontro com os amigos dos Filhos de Talma em agosto de 2011.

Daniel Ferreira, do SempreVasco, grande vascaíno e entusiasta da história do Vasco.

Fernando Matta, da Netvasco, também grande vascaíno entusiasta da história do Vasco.

Walmer Peres Santana - Historiador do Centro de Memória do C.R. Vasco da Gama

Sr. Rosauro, do 1.º Serviço Registral de Imóveis, que muito gentilmente nos ajudou na compreensão e localização dos antigos registros imobiliários.

Arquivo Público da Cidade do Rio de Janeiro, que gentilmente nos cedeu, para este artigo, o direito de uso da imagem do histórico sobrado, cuja autoria é de Augusto Malta.

Sra. Glaucia Santos Garcia, pesquisadora e promotora da Comunidade Viva Gamboa no Facebook.

-----
Fontes de consulta:
- Club de Regatas Vasco da Gama - Histórico: 1898-1923 - José da Silva Rocha - Gráfica Olímpica Editora-Rio (1975)
- Biblioteca Nacional - Periódicos
- Arquivo Público da Cidade do Rio de Janeiro (Biblioteca, Acervo de Plantas, Croquis e Iconografia)
- Plan of the City of Rio de Janeiro - Edward Gotto -1876
- Nova Numeração dos Prédios da Cidade do Rio de Janeiro - J. C. Cavalcanti - 1 - fac simile - Coleção Memória do Rio 6 (1979)
- O Álbum da Avenida Central - Marc Ferrez - Ed. Ex Libris (1983)
- Portal GeoRio da Prefeitura do Rio de Janeiro - Mapa Digital do Rio de Janeiro
- Um porto para o Rio -  Imagens e memórias de um álbum centenário. Maria Ignez Turazzi (org.). Casa da Palavra, 2012

------
Vascainidades

(1) José Lopes de Freitas, conhecido como Zé da Praia, era ao seu tempo um desportista nato. Além do remo, cuja prática havia adquirido pelo Club "Natação e Regatas", também era sócio e professor de ginástica do "Club Gymnastico Portuguez", conforme grafia da época.  A 18 de maio de 1898, o Ginástico Português promoveu um festival de ginástica em comemoração ao quartocentenário da Descoberta dos Caminhos das Índias por Vasco da Gama, sob o comando de Lopes de Freitas. Neste festival, Freitas granjeou entre os associados e alunos a idéia do novo club que se fundaria sob o signo da Cruz de Cristo, cujo nome à aquela altura já estava decidido. Havia de fundar-se, custe o que custar!

(2) A NetVasco fez um trabalho comparativo de imagens e concluiu que o "Quarteirão onde ocorreu a fundação do Vasco pouco se modificou em mais de 100 anos":
"A comparação entre as duas fotos abaixo não deixa dúvidas sobre o endereço que corresponde, atualmente, ao local de fundação do Vasco. O quadrado vermelho assinala, nas duas fotos, o prédio onde o clube foi fundado. A foto de cima, de Augusto Malta, é de 1908 e mostra o local apenas 10 anos após o evento.   O endereço já não é mais Rua da Saúde 293, e sim Rua da Saúde 345, devido ao decreto de 1907 da prefeitura que havia alterado a numeração dos imóveis da rua. A foto de baixo é do Google Maps, em 2011, e mostra a Rua Sacadura Cabral 345. Percebe-se facilmente que a estrutura dos imóveis pouco se modificou em 103 anos, e alguns prédios permanecem praticamente iguais."


*Nota do Blog: A conclusão a partir das imagens é a "cereja do bolo" desse trabalho de pesquisa. Para se conseguir aferir a localização do local de fundação do club em 1898, foram realizadas buscas em diversas fontes, uma vez que a rua da Saúde passou por diversas revisões de numeração entre 1841 e 1893. Ora feitas pelo então Senado da Câmara Municipal, ora feitas pelos proprietários dos imóveis construídos em terreno de marinha e aforamentos.
   Normalmente quando há uma revisão aditiva de numeração, acresce-se o novo número em progressão aritimética simples. Mas tal não ocorreu com a Rua da Saúde, onde constavam imóveis com uma mesma numeração com a adição da letra "A" para diferenciação, ou a supressão de numeração para a aglutinação de prédios recém construídos sobre dois ou mais terrenos, por vezes redesignadas para ruas tranversais. A tarefa inicialmente foi difícil. A revisão feita pelo membro da comissão de tombamento do município da Corte, João Cruvello Cavalcanti, foi a última realizada antes da designação do n.º 293 da Rua da Saúde ao tempo da fundação do Vasco, em 21 de agosto de 1898. Antes dela, o trecho compreendido pelo quarteirão da Praça da Harmonia tinha numeração própria, O endereço era então era Praça da Harmonia, n.º 21 (Edward Gotto - 1876, op cit.). A própria rua da Saúde ainda possuia trechos com nomes diversos, como São Francisco da Prainha (até a rua do Escorrega) e Nova de São Francisco da Pranhinha (até a Praça Municipal, hoje Praça Jornal do Comércio, no cruzamento da Rua Barão de Tefé), com numeração integrada e confusa. 
   Com a supressão do endereço da Praça da Harmonia a partir de 1876, passou o imóvel a ser designado pelo n.º 285 (J. C. Cavalcanti. op. cit. p. 293), com a rua da Saúde assumindo a numeração em ordem crescente desde o seu início (na Praça Mauá, então Praça 28 de Setembro) até o seu fim (na rua Conselheiro Zacarias, antiga Boa Vista).
   Entre os anos de 1878 e 1893 nova revisão foi realizada pelos mesmos motivos acima apontados. Deixou então o Senado da Câmara Municipal de realizar a publicação de editais públicos contendo o ról da numeração revisada sobre a rua específica, em que se destacava a antiga e a moderna. Foi somente através da pesquisa de periódicos antigos do acervo da Biblioteca Nacional, que continham anúncios classificados ou fatos jornalísticos de época; da consulta de  plantas e croquis do acervo do Arquivo Público da Cidade do Rio de Janeiro, bem como do Livro de Registros do 1.º Serviço Registral de Imóveis da Cidade do Rio de Janeiro, é que se pôde inferir a correta localização do imóvel procurado, seguindo a seguinte ordem:

1) Na coleção de plantas da antiga Prefeitura do Distrito Federal localizamos o imóvel de n.º 289 da Rua da Saúde arquivado no ano de 1900 (fls. 196/220), cuja planta contém a exata fachada do atual n.º 341 da Rua Sacadura Cabral, esquina com a rua São Gregório. Vide primeiro imóvel da esquerda para a direita na imagem montada pela NetVasco.

2) No 1.º RI, consta o registro n.º 46951, fl. 386, Livro 3-CC do prédio n.º 291 da Rua da Saúde, atual n.º 343, resgistrado em 04/11/1917 (cf. certidão de ônus reais em nosso poder). Vide segundo imóvel da esquerda para a direita na imagem montada pela NetVasco.

3) Na coleção de plantas da antiga Prefeitura do Distrito Federal localizamos as plantas dos imóveis de andar térreo de ns.  295 e 297 da Rua da Saúde, arquivadas respectivamente em 27-12-1895 (cx. 07 - doc. 03) e 1907 (cx. 04  - doc. 49), contendo as idênticas fachadas dos atuais ns. 347 e 349 da Rua Sacadura Cabral. Vide quarto e quinto imóveis da esquerda para a direita na imagem montada pela NetVasco.

4) Por fim, apesar da inexistência de qualquer planta no acervo do Arquivo Público, obtivemos a certidão de ônus real do Primeiro Serviço Registral de Imóveis (1.º RI), onde consta o seguinte: "no livro 3-C, às fls. 436, sob o n.º 155000, transcrito em nome de Manoel Ernestino da Costa, o imóvel à Rua da Saúde n.º 293, antigo 285, ... registrado em 12/09/1893". Do cotejo das informações acima, estava identificado o exato local do prédio onde fora fundado e instalado o Club de Regatas Vasco da Gama, o terceiro sobrado da esquerda para a direita, indicado por um pelo ponto vermelho na imagem montada pela Netvasco, correspondente ao atual n. 345 da Rua Sacadra Cabral.
 **texto originalmente publicado em 23/09/2013 - 16h13m no semprevasco.com






Um comentário:

  1. Será que o dono sabe da ligação do imóvel com a histórica do Vasco?
    Merece uma placa, no mesmo estilo que existe nas igrejas históricas do Rio!

    ResponderExcluir